Sim, existe gol feio. Mas gol perdido é horroroso!

22/09/2013 20:16

Recomendações médicas me colocaram deitado em uma cama de hospital, com uma televisão disponível, durante o confronto entre Náutico e Flamengo, pelo Segundo Turno do Campeonato Brasileiro de 2013. Aconteceu no dia 22 de setembro. Doutores, podem ter me ajudado na luta anti-bactérias naquele domingo, porém lamentei ainda mais a condição de enfermo. Esqueceram de me sedar!

Já assumi publicamente uma envergonhada semi-aposentadoria como torcedor fanático. Estou me especializando em jogos importantes, o que definitivamente não era o caso. Há tempos desenvolvi intuição aguçada para evitar perder tempo com partidas ridículas. Especialmente aquelas do tipo “vencer ou vencer, sem maiores consequências ou traumas.” Ainda que para fugir do confronto em questão, bastasse um conhecimento futebolístico superior ao da minha irmã (com todo respeito, Irmãzona!), eu tinha poucas opções naquela tarde. Rubro-negros, somos infalíveis, solidários perpétuos com os combalidos.  Seria um drama previsível. Após outra vergonha no Maracanã, com direito a saída inesperada de técnico, era preciso vencer um adversário já virtualmente rebaixado, ainda pouco depois da metade do torneio.

Pior que a derrota moral do zero a zero, foi ver o melhor jogador do time – sim, Elias é o nosso craque do momento – protagonizar algo muito mais inacreditável que o feito do Deivid na Vila Belmiro, na imortal e única partida do Ronaldinho Gaúcho com o Manto Sagrado.

Completo o cenário: estou lendo o excelente livro “a bola não entra por acaso”, sobre a gestão do Barcelona. Por favor, alguém compre um exemplar para os nossos diretores. Todo apoio às boas práticas, mas não esqueçam: clubes de futebol maximizam títulos!

Desculpem, refaço meus argumentos. Foi um jogo importante. Um dia futuro, quando um jovem argumentar que já viu muita coisa no mundo da bola, citarei esse jogo. A realidade supera a ficção. Sim, existe gol feio. Mas gol perdido é horroroso!

Ah, é bom poder reclamar de um time ridículo! Sinal que a perna está normal e que as bactérias perderam a briga! E amanhã eu vejo a luz do dia!